Voltar

Qualidade mais do que quantidade: como avaliar a qualidade da sua alimentação diária

Hoje nós queremos falar sobre a qualidade da sua alimentação diária, em especial, a qualidade da sua proteína.

Já temos um artigo completinho falando sobre os principais requisitos para que uma proteína seja considerada de qualidade. Então, hoje vamos conversar sobre o papel dela na sua alimentação e como essa proteína está inserida na sua dieta diária.

Afinal de contas, alimentação de qualidade vai além da quantidade diária, e passa pela forma correta e pelo balanceamento de todos os elementos do seu prato.

Ou seja, hoje nós queremos conversar sobre como ter uma alimentação verdadeiramente de alta performance.

Leia também: Consumo diário de proteína: qual é a indicação nutricional apropriada?

Resumo sobre a qualidade da proteína que você come todos os dias

As proteínas são a base para desenvolvimento de diversos tecidos e funções do corpo. 

Essenciais sobretudo na regulagem do metabolismo, são usadas principalmente como fonte de energia. Além disso, as proteínas ainda ajudam no balanço ácido/base no corpo, já que componentes dos hormônios e enzimas que melhoram a resposta imune ou a capacidade do corpo de combater infecções. 

Aprenda mais: Perda muscular: como a proteína certa impede este problema

O que é uma proteína?

Para entender o papel das proteínas é preciso entender o que são aminoácidos. 

Os aminoácidos, blocos que constituem as proteínas, possuem papéis vitais na fisiologia e função do corpo humano. Eles atuam durante o processo de digestão, pois é ali que as proteínas da dieta são quebradas em aminoácidos, e estes então, são absorvidos pelo corpo e usados para criar enzimas e tecidos.

Seu corpo basicamente transforma proteína em músculos. 

Existem pelo menos 18 aminoácidos que constituem as proteínas.

Mas, agora vem a parte realmente importante: o corpo é capaz de sintetizar em quantidades adequadas apenas nove deles – pense que sintetizar é produzir, ou seja, seu corpo “gera” este aminoácidos. São esses aminoácidos os chamados de não essenciais ou dispensáveis.

Já os nove aminoácidos restantes devem ser fornecidos na dieta. Pois são esses aminoácidos essenciais ou indispensáveis: 

  • histidina
  • isoleucina
  • leucina
  • lisina
  • metionina
  • fenilalanina
  • treonina
  • triptofano
  • valina.

Saiba mais: Conheça os benefícios da suplementação de proteína para todos os casos

Onde estão as fontes de proteínas? 

Todas as células de plantas e animais contêm proteína. Todas. Então, pode-se supor que basicamente qualquer alimento seja uma fonte em potencial de algum tipo de proteína. Contudo, como nós vimos, é preciso saber se essa proteína contém quantidades satisfatórias das enzimas essenciais.

Logo, a quantidade de proteínas varia amplamente entre os alimentos. Então, além de você se preocupar com quanta proteína aquele alimento tem para oferecer, deve se focar também na quantidade de aminoácidos essenciais presentes na proteína. 

Pois, é como nós dissemos: a qualidade das proteínas em alimentos específicos varia e também a qualidade da proteína depende do padrão e da abundância de seus aminoácidos. 

Veja também: Elemento chave de saúde: saiba por que a qualidade da proteína importa muito

Por essa razão é preciso prestar bastante atenção na sua oferta de proteínas

Dietas restritivas costumam cortar inúmeras fontes de proteína do corpo, substituindo-as por outras na crença de que a presença pura e simples da proteína seja o bastante.

Quando nós já sabemos que há tipos e tipos de proteínas. E que no fundo, a oferta de aminoácidos essenciais é mais do que uma preocupação, é uma obrigação para manter a sua dieta saudável. 

Se a proteína contém aminoácidos essenciais na proporção requerida para ser consumida, pode-se dizer que tem um alto valor biológico. Já as que têm poucos aminoácidos essenciais são consideradas de baixo valor biológico.

E agora chegamos em um ponto importante: as proteínas de origem animal, como da carne bovina, soro de leite, peixes, etc. têm um valor biológico mais alto do que as proteínas da maioria das fontes vegetais. 

Então, trocar a proteína do soro de leite por proteínas vegetais não é, na grande maioria dos casos, uma troca de igual para igual.

Qualidade mais do que quantidade

No artigo de hoje nós queremos reforçar para você que há uma série de aminoácidos importantíssimos para o bom funcionamento do nosso organismo. Então, antes de entrar em uma dieta restritiva, ou fazer substituições por conta própria, tome bastante cuidado.

Procure médicos e nutricionistas de confiança. Garanta que você esteja consumindo a quantidade ideal de proteína e produzindo os aminoácidos importantes para a sua saúde.

Dica de ouro: o soro de leite é responsável por ser uma fonte confiável de proteína de alta qualidade, capaz de gerar todos os aminoácidos essenciais, com ótima absorção do organismo e extremamente agradável ao paladar.

Esperamos que o artigo de hoje tenha lhe trazido informações de qualidade e assim você possa escolher a dieta que mais se adequa aos seus objetivos. 

Quer continuar aprendendo sobre alimentação que gera resultados? Então acompanhe o nosso Blog. Estamos sempre trazendo dicas e novidades sobre suplementação e alimentação de alta performance.

Agradecemos a leitura e até a próxima.